Sonambulismo: 14 coisas que o sonâmbulo e a família precisam saber

0
3860

Você faz coisas durante a noite e nem se lembra? Acorda em outros lugares da casa e não sabe como foi parar lá? Já se machucou dormindo? Entenda o sonambulismo através destas 14 perguntas interessantíssimas sobre o assunto.

sonambulismo

1. Sonambulismo: doença ou sintoma?

Sonambulismo (caminhar durante o sono) é um tipo de parassonia que, de acordo com o Instituto Brasileiro do Sono, “caracteriza-se como movimentos e/ou comportamentos que representam fenômenos físicos decorrentes da ativação do sistema nervoso central levando à queda da qualidade do sono”.

O sonambulismo pode ser agitado ou calmo. Lembrando que parassonia também inclui outros distúrbios do sono, como despertar confuso, terror noturno, sonilóquio (falar durante o sono) e distúrbios do sono REM.

Assim, sonambulismo não é considerado doença, geralmente é considerado um distúrbio benigno, podendo ser avaliado como normal quando se fala em aspectos do sono na criança, em que o distúrbio é mais comum e ocorre geralmente em decorrência da maturação cerebral. No entanto, exige tratamento caso venha colocar em risco a saúde do sonâmbulo e das pessoas que com ele convivem.

2. O sonambulismo acontece em algum horário específico do sono?

O sono tem várias fases. O sonambulismo geralmente acontece na primeira metade da noite, na fase chamada de ondas lentas, e não no sono REM (sigla em inglês que significa Movimento Rápido dos Olhos, fase que corresponde a 20-25% do período do sono e é geralmente associada aos sonhos).

Na fase do sonambulismo não há sonhos. Ah, um detalhe importante: transtornos do sono REM podem indicar que a pessoa está com alguma doença degenerativa, como mal de Parkinson, por exemplo. O sonambulismo não.

Outra diferença é que o sonâmbulo pratica ações rotineiras, como levantar da cama, andar e até comer, enquanto a pessoa que tem distúrbio do sono REM geralmente age conforme o sonho, ou seja, pode chutar a parede achando que é a bola, ou pular da cama pois está sonhando que está pulando na piscina.

3. Adultos e idosos podem sofrer de sonambulismo?

O sonambulismo é mais comum em crianças. O início é geralmente aos 5 anos e a faixa limite do distúrbio é entre 12 e 13 anos. Segundo dados, de 15 a 30% das crianças saudáveis já tiveram pelo menos um episódio de sonambulismo.

Embora esse tipo de parassonia seja comum em crianças e adolescentes, os adultos podem ter episódios de sonambulismo (cerca de 1%). Além disso, é raro mas idosos também podem ser sonâmbulos.

O sonambulismo adulto pode ser considerado grave. Vamos ver mais detalhes sobre isso no tópico: o sonâmbulo pode ficar agressivo?

4. Sonambulismo é comum?

Estimativas apontam que o distúrbio afeta entre 1 até 15% da população. Em crianças de 3 a 4 anos a recorrência é de 3% em média. Durante toda a infância, outros estudos apontam que o sonambulismo pode afetar até 40%.

Pesquisa recente dos EUA mostrou que cerca de 8 milhões de americanos são propensos ao sonambulismo.

Ou seja: não é raro.

5. Quanto tempo dura uma crise de sonambulismo?

Alguns estudos apontam que a “crise” de sonambulismo pode durar de segundos até meia hora. Segundo outros, o sonâmbulo pode ficar “em ação” entre 1 e 10 minutos.

6. O que acontece no cérebro durante o sonambulismo?

O sono possui duas fases, sendo que a primeira fase possui quatro estágios, cada um responsável por determinada atividade. Importante lembrar que o sonambulismo acontece no sono não REM (em geral é na primeira parte da noite, porém há rodízios entre sono REM e não REM). Nesse período, que é dividido em 4 estágios, há liberação de melatonina (substância que induz a sonolência), diminuem os ritmos cardíaco e respiratório, o metabolismo cai.

Além disso, ocorrem atividades como restauração de tecidos, liberação do hormônio do crescimento (GH) e aumento da massa muscular.

Como a pessoa não está acordada durante o sonambulismo, (a não ser que alguém a acorde) ela não retorna ao estágio inicial do sono, partindo para o estágio REM. Portanto, as atividades cerebrais são principalmente de limpeza.

Quer entender um pouco mais sobre as fases do sono? Veja o gráfico a seguir:

fases-do-sono
O sono pode ser subdividido em sono REM e sono não REM. Este último compreende 4 fases. O sonambulismo é um distúrbio do sono típico da fase 4 do sono não REM.

Estudo recente apontou que o sono ajuda o cérebro a fazer uma verdadeira “faxina”, ficando livre das toxinas. A pesquisa sugeriu ainda que as células gliais cerebrais sofrem uma espécie de encolhimento, ampliando o espaço entre os neurônios, permitindo, dessa forma, a “limpeza” do órgão.

Confira o artigo O sono e a “lavagem cerebral”.

7. Quais as principais causas do sonambulismo?

Alguns estudiosos apontam que gêmeos idênticos têm mais probabilidade de desenvolver sonambulismo. Além disso, se seus pais ou irmãos são sonâmbulos, a sua chance de ter o distúrbio aumenta em 10 vezes.

A causa genética é um fator importante quando falamos de sonambulismo. 80% dos sonâmbulos têm histórico familiar. O sexo masculino é o mais afetado pela parassonia, segundo pesquisas.

Mas não é só a hereditariedade que causa o sonambulismo não. Apneia do sono, distúrbios psiquiátricos (como estresse pós-traumático, ataques de pânico), além de problemas do coração, convulsões noturnas, asma, azia e até febre são apontadas como causas do problema.

Outros fatores ambientais são imprescindíveis de ser considerados quando o assunto é sonambulismo. Ansiedade, estresse, privação de sono por diversas causas, falta de higiene do sono ou mesmo bexiga cheia, quarto desconfortável, ambiente novo, com muitos estímulos.

Beber cerveja para dormir melhor?

Ah, e você que toma aquela cervejinha todo dia antes de dormir, para relaxar, cuidado! Realmente o álcool provoca o relaxamento dos músculos, porém ele aumenta as chances de você acordar no meio da noite e também deixa o sono superficial. Excesso de álcool faz mal e pode causar sonambulismo! O consumo de outras drogas também pode favorecer o aparecimento do distúrbio.

Crianças versus adultos

Nas crianças o sonambulismo pode estar associado ao processo de amadurecimento do cérebro, portanto costuma desaparecer no futuro. A recorrência nos adultos deve ser motivo de atenção por estar associada a altos níveis de estresse físico e mental.

8. Se o sonâmbulo fica de olhos abertos, como vou saber se ele está acordado ou dormindo?

Sabe-se que o sonâmbulo faz tarefas que normalmente faria se estivesse acordado. A diferença é que o sonâmbulo tem aqueles olhos “vazios”, sem expressão, um olhar vidrado. É fácil identificar um sonâmbulo pois ele também tem respostas lentas e confusas às perguntas que a gente faz.

Antes de continuar a leitura, que tal cadastrar seu e-mail para receber informações sobre o cérebro em primeiríssima mão?

Digite seu email aqui ↓

É grátis!

Vamos seguindo.

9. O sonambulismo compromete a qualidade do sono?

Alguns estudos demonstram que o sonambulismo não afeta o indivíduo no dia seguinte. A pessoa pode ter feito várias atividades dormindo no noite anterior, como andar, falar e comer, que no outro dia não estará cansada nem sonolenta.

Porém, outras pesquisas relacionam o sonambulismo com sonolência excessiva, fadiga, insônia, dentre outras consequências.

O importante é avaliar que as causas do distúrbio com origem no estresse, ansiedade, problemas emocionais e falta de higiene do sono devem ser tratadas, pois comprometem de forma imediata, (cansaço, falha na memória, alteração de humor e concentração) a médio prazo (absenteísmo no trabalho, risco de dormir ao volante) e também a longo prazo (surgimento e agravamento de doenças) a saúde e a qualidade de vida do indivíduo.

10. Por que o sonâmbulo não se lembra de nada?

Na condição de sonambulismo, a pessoa realiza atividades motoras sem consciência total do que está fazendo. Isso acontece pois uma parte de suas funções cerebrais está adormecida, já que a pessoa está no limiar entre o sono e a vigília.

Dessa forma, pode haver amnésia total ou parcial, poi existem casos em que a pessoa tem vagas e/ou lembranças, como se fossem sonhos, do que fez na noite anterior.

Lembre-se que um dos pré-requisitos mais importantes no processo de formação de memórias é a atenção.

11. O sonâmbulo pode ficar agressivo?

Em geral, o sonâmbulo faz atividades rotineiras, tais como: levantar da cama, andar pela casa, trocar de roupa, abrir o armário, ir ao banheiro e até comer, sem se lembrar no outro dia. Mas existem episódios em que o sonâmbulo tem ações agressivas, contra si mesmo ou contra terceiros. Estudos apontam que 2% da população possui comportamentos agressivos durante o sono. A prevalência é no público masculino.

Algumas características são mais recorrentes em pacientes sonâmbulos e violentos:

  • são homens;
  • têm problemas familiares de origem;
  • histórico de abuso sexual;
  • escala de Hamilton (depressão) > 24;
  • histórico familiar de terror noturo ou sonambulismo;
  • abuso de substâncias;
  • agenda do sono desorganizada.

Além disso, das características acima citadas, 3 delas tiveram 18% de sensibilidade e 100% de especificidade em prever o sonambulismo violento: público de homens; hábitos de sono e vigília bagunçados e excesso de substâncias.

Durante o exame que analisa a atividade elétrica do cérebro (Eletroencefalograma – EEG), no registro polissonográfico, foram registradas algumas atividades importantes nos pacientes avaliados: alta fragmentação do sono; taquicardia, fraca reatividade à luz e menor atividade cerebral no sono de ondas lentas.

Outra pesquisa recente concluiu que cerca de 23% dos 100 pacientes entre 18 e 58 anos diagnosticados com sonambulismo primário apresentaram episódios noturnos e aproximadamente 44% episódios semanais de agressividade. 17% experimentaram pelo menos um episódio envolvendo lesões a ele mesmo ou ao parceiro de cama. Dentre as lesões, um paciente sofreu múltiplas fraturas e traumatismo craniano ao pular da janela do terceiro andar.

Tirando tais estudos sobre pacientes sonâmbulos e violentos, o que pode ocorrer é que, ao ser acordado, e por estar na fase do sono profunda, a pessoa fique obviamente desorientada, podendo reagir com agressividade.

Um caso chocante de sonambulismo

Em 2013, houve um caso trágico. Um pai matou acidentalmente o filho de 11 anos pois o confundiu com um ladrão. O menino era sonâmbulo, levantou e foi até o quintal. A mãe percebeu uma movimentação estranha na casa e chamou o marido, que atirou na criança.

O caso acima também serve de alerta: nem sempre sonambulismo é engraçado. Apesar desse episódio raro, é preciso atenção com o distúrbio, buscar sempre os melhores caminhos para conviver com quem é sonâmbulo e também para tratá-lo caso seja necessário.

12. É verdade que não se pode acordar uma pessoa sonâmbula?

Mito! Não existe comprovação disso. O sonambulismo é alvo de várias crenças populares e essa é uma delas. O que acontece é que, como dito anteriormente, o sonâmbulo não está acordado, então em vez de despertá-lo prefira guiá-lo com cuidado até a cama.

13. Sonambulismo tem cura?

Tem tratamento. A tendência é a maior recorrência na infância (pois está associado à maturação dos mecanismos do sono) com índices cada vez mais baixos na adolescência até chegar a ser incomum na fase adulta.

O importante é procurar um especialista para fazer o diagnóstico correto, que será feito por meio de exames para descobrir qual fator está causando o sonambulismo. A partir do diagnóstico, é possível dar encaminhamento no tratamento do distúrbio.

14. Quais as principais formas de tratamento?

O uso de medicamentos para sonambulismo geralmente não é necessário, com exceção de alguns casos. No contexto de crises de epilepsia durante o sono comprovadas, são utilizados antiepiléticos. Nos demais casos, o tipo e a dosagem do remédio irá variar.

Uma vez que esse tipo de parassonia está também relacionada ao estresse e problemas emocionais, a resolução desses implica no desaparecimento do distúrbio.

Já ouviu falar em higiene do sono?

dormir-com-celular
A higiene do sono é fundamental para se evitar crises de sonambulismo. Atualmente, o uso dos smartphones ao se deitar certamente contribui para a estatística dos casos.

Uma dica valiosa para o tratamento do sonambulismo é a chamada higiene do sono. Em tempos de um verdadeiro casamento entre dispositivos eletrônicos e seres humanos, para ter um sono tranquilo e reparador, é preciso desconectar. Muitas pessoas sabem que faz mal, mas continuam usando seus celulares/tablets/computadores antes de dormir. Alguns ainda guardam o celular debaixo do travesseiro.

A luz emitida pelos dispositivos eletrônicos atrapalha o relógio biológico e desacelera ou mesmo inibe a produção de melatonina, substância reguladora do sono. Estudos compararam o sono de pessoas que liam livros de papel e livros digitais. Esses últimos tiveram a produção da melatonina reduzida, demoraram para pegar no sono, dormiram de forma menos profunda e ficaram mais cansados no dia seguinte.

Pelo menos uma hora antes de dormir, evite vídeo game, televisão, músicas agitadas, luminosidade em excesso. Tente ir para a cama no mesmo horário todos os dias, inclusive aos sábados e domingos. Sono bom é sono tranquilo, completo e revigorante. Durma bem e os episódios de sonambulismo não serão tão frequentes.

Confira essas 10 dicas para dormir bem.

Outras situações

Recomenda-se que a prática de atividades físicas não seja feita pouco tempo antes de dormir, e sim pelo menos 4 horas antes de pegar no sono.

Aquelas crises causadas por febre, depressão, distúrbios respiratórios do sono e doenças neurológicas são amenizadas com o tratamento dessas enfermidades.

Medidas de proteção também são indicadas: não deixar o sonâmbulo dormir na parte de cima da cama beliche (caso tenha), retirar objetos cortantes ou móveis com pontas do caminho, trancar portas e janelas…

Além dessas medidas, para casos recorrentes de sonambulismo, existem alguns exames e tratamentos cientificamente comprovados:

Exame de polissonografia: registra as reações do organismo durante o sono;

Eletroencefalograma: analisa atividade elétrica do cérebro e também auxilia no diagnóstico;

Medicamentos: benzodiazepínicos, antidepressivos;

Técnicas de relaxamento e psicoterapia.

Automedicação: jamais!

“Detalhe” importante

Dizem por aí que a depressão e o estresse são os males do século.

O círculo é complicado: você leva os problemas do seu trabalho para o travesseiro, tenta resolvê-los, não consegue, não dorme direito, fica estressado, come mal.. e assim vai… e depois? Perde a saúde para resolver esses problemas.

Outras pessoas passam a noite estudando para acertar na prova… quando na verdade precisariam, mais que tudo, dormir para consolidar a memória e sair bem no teste.

Vamos desestressar?

Cuide do seu sono! Sua saúde em primeiro lugar.

É isso! Muito obrigado por sua leitura.

Antes de ler o próximo artigo, cadastre seu email para receber as novidades do blog MeuCérebro:

Digite seu email aqui ↓

É grátis!

Até a próxima!

Referências:

  1. Livro Current Pediatria: Diagnóstico e Tratamento, por William Hay, Myron Levin, Robin Deterding, Mark Abzug;
  2. MULLER, Mônica Rocha; GUIMARAES, Suely Sales. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Estud. psicol. (Campinas), Campinas, v. 24, n. 4, p. 519-528, Dec. 2007.
  3. POYARES, Dalva et al . Violência durante o sono. Rev. Bras. Psiquiatr., São Paulo, v. 27, supl. 1, p. 22-26, May 2005.
  4. J Pediatr (Rio J) 2002; 78 (Supl.1): S63-S72: distúrbios do sono, infância, síndrome da morte súbita do lactente, apnéias.
  5. The Huffington Post; 6 coisas que ninguém te conta sobre sonambulismo, 27/03/2015.
  6. Globo.com, Neurologista explica causas e orienta como tratar o sonambulismo, 06/09/2013.
  7. Globo.com, Pai confunde filho sonâmbulo com ladrão e mata garoto em Ferreiros-PE, 04/09/2013.
  8. Site Drauzio Varella, Sonambulismo, 30-10-2014.
  9. WebMD, (1) REM Sleep Behaviour Disorder, (2) 5 Steps Stopping Sleepwalker, (3) Sleepwalking Symptoms, (4) Sleepwalking Causes, (5) Sleepwalking Causes.
  10. Instituto Brasileiro do Sono, Centro de Diagnóstico.
  11. Hospital São Camilo, Sonambulismo não é uma doença, mas pode exigir tratamento, Dicas de Saúde.
  12. BBC Brasil, Tablets e smartphones à noite prejudicam o sono, indica pesquisa, 23-12-2014.
  13. Prevalência de distúrbios do sono em adolescentes em situação de vulnerabilidade social e sua relação com transtornos cognitivos e comportamentais. PUCRS, Biblioteca Digital de Teses e Dissertações.
  14. American Academy of Sleep Medicine.
  15. Saúde da Mulher, Desvendando os mitos do sonambulismo.
  16. Instituto do Sono.
  17. Globo.com, Sono tem quatro fases que liberam hormônios e consolidam memória.
  18. M. M. Ohayon, M. W. Mahowald, Y. Dauvilliers, A. D. Krystal, D. Leger. Prevalence and comorbidity of nocturnal wandering in the US adult general population. Neurology, 2012; 78 (20): 1583.
  19. Regis Lopez, Isabelle Jaussent, Sabine Scholz, Sophie Bayard, Jacques Montplaisir, Yves Dauvilliers. Functional Impairment in Adult Sleepwalkers: A Case-Control Study. SLEEP, 2013.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here