Você está “in love”, “ended love” ou “single”? Entenda como o amor pode estimular o seu cérebro

0
317

O amor altera de forma intensa a cognição e o comportamento, como a promoção de atenção intensamente focada no indivíduo preferido, acompanhada de euforia, paixão, obsessão, compulsão, distorção da realidade, dependência emocional, alterações de personalidade e a assunção de riscos.

O amor romântico é um tema muito antigo, descrito desde a antiguidade. Esse sentimento que esteve muito presente nos sonetos de William Shakespeare tem sido considerado a inspiração para algumas das realizações mais extraordinárias da humanidade, e desempenha um papel muito importante na sobrevivência humana, na reprodução, no desenvolvimento e na evolução. Mas, o que vem a ser o amor romântico? Os psicólogos o definem como um estado motivacional associado a um desejo de entrar ou manter uma relação estreita com outra pessoa específica.

O amor altera de forma intensa a cognição e o comportamento, como a promoção de atenção intensamente focada no indivíduo preferido, acompanhada de euforia, paixão, obsessão, compulsão, distorção da realidade, dependência emocional, alterações de personalidade e a assunção de riscos. Então, pode-se afirmar que esse é um sentimento complexo. Envolve componentes emocionais, cognitivos e comportamentais. Dessa forma, nos últimos anos, cientistas têm dedicado cada vez mais atenção para os substratos neurobiológicos e processos neurológicos do amor romântico.

Amor e áreas cerebrais

Bartels e Zeki publicaram o primeiro estudo que investigou o que acontecia no cérebro de pessoas apaixonadas quando olhavam para uma fotografia de alguém que elas amavam. Após tais estudos vieram outros similares. A conclusão de todas essas pesquisas: o amor pode aumentar a ativação do sistema de recompensa, a motivação e a regulação emocional. Isso porque apresentou-se acompanhado por um aumento significativo da atividade em regiões cerebrais envolvidas com tais funções, como a Área Tegmentar Ventral, a Ínsula Medial, o Córtex Cingulado Anterior, o Hipocampo, o Núcleo Acumbens, o Núcleo Caudado e o Hipotálamo.

A capacidade que o amor tem de aumentar a ativação e a desativação de certas áreas do cérebro, então, foi provada. Mas, ainda não havia ficado claro se o amor romântico poderia afetar a arquitetura funcional do cérebro. Um estudo, dirigido por Hongwen Song, Universidade do Sudoeste, China, publicado em Fevereiro deste ano, trouxe algumas respostas para essa questão. O estudo contou com estudantes universitários que foram divididos em três grupos: o grupo “in-love”, constituído por indivíduos que estavam atualmente amando; o grupo “ended-love”, constituído por indivíduos que recentemente terminaram um relacionamento romântico e atualmente não estavam amando; e o grupo “single”, constituído por indivíduos que nunca tinham se apaixonado por ninguém.

O que acontece quando você está “in love”

Os resultados do estudo chinês mostraram que o Córtex Cingulado Anterior Esquerdo do grupo “in-love” apresentou-se aumentado em comparação com os outros grupos. Além disso, quanto mais tempo os integrantes do grupo “in-love” estavam apaixonados, maior era o aumento do Córtex Cingulado Anterior Esquerdo. Todas as outras estruturas relacionadas à recompensa, à motivação e à rede de regulação da emoção, bem como a rede de cognição social, apresentaram-se significativamente aumentadas no grupo “in-love”, em comparação com os grupos “ended-love” e “single”. Este aumento foi positivamente correlacionado com a duração do amor dos indivíduos daquele grupo. Diante disso, o estudo fornece a primeira evidência de que existem alterações relacionadas ao amor na arquitetura funcional do cérebro.

amor
Os românticos têm algumas áreas cerebrais mais estimuladas.

Diante de tantas evidências de que o amor pode estimular significativamente áreas importantes do cérebro, essa pode ser a base para o tratamento de muitos transtornos psiquiátricos. Além disso, praticá-lo como hábito poderia garantir uma qualidade de vida ainda maior.

Fonte: FrontiersInHumanNeuroscience

Imagem: goo.gl/sP1GZh

[hr text=”CONFIRA NOSSAS PUBLICAÇÕES!” spacer=”true”]

[column width=”1/6″]

Revista meucerebro Ano 00, Nº 01, Outubro/2014

Out/14

[/column][column width=”1/6″]

Revista meucerebro Ano 00, Nº 02, Novembro/2014

Nov/14

[/column][column width=”1/6″]

Revista meucerebro Ano 00, Nº 03, Dezembro/2014

Dez/14

[/column][column width=”1/6″]

Revista meucerebro Ano 00, Nº 04, Janeiro/2015

Jan/15

[/column][column width=”1/6″]

Revista meucerebro Ano 00, Nº 05, Fevereiro/2015

Fev/15

[/column][column width=”1/6″]

Revista meucerebro Ano 00, Nº 06, Março/2015

Mar/15

[/column]


COMPARTILHAR
LISAM-UFU

A Liga Acadêmica de Saúde Mental da Universidade Federal de Uberlândia (LISAM-UFU) é dedicada a estudar os diversos transtornos e diferentes assuntos da área da Saúde Mental (tão importante e influente na saúde humana) e trazer ao público eventos e atividades que permitam maior conhecimento sobre esse tema.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here