Neurodicionário: o dicionário das palavras que começam com neuro

4
1171

Este é o primeiro dicionário com termos que iniciam com ‘neuro’. Já foram adicionadas 57 palavras com uma breve explicação e significado. O objetivo é manter sempre atualizado o nosso neurodicionário. Comente e dê sugestões!

  1. NEURO-ONCOLOGIA: especialidade médica dedicada ao tratamento de pacientes com câncer cerebral e de outras partes o sistema nervoso. Também auxilia pessoas com complicações neurológicas por conta do câncer ou de terapias contra a doença.

  2. NEUROANATOMIA: é o ramo da ciência responsável pelo estudo da estrutura e função do sistema nervoso, central e periférico. Enquanto a neuroanatomia clássica estuda a forma e os limites das estruturas neurais, a neuroanatomia funcional relaciona esses aspectos com as funções de cada segmento ou estrutura.

  3. NEUROAPRENDIZAGEM: método de aprendizagem que busca facilitar a incorporação do conhecimento e aprimorar a velocidade da recuperação das informações. É o ato de aprender estando pautado por conhecimentos relacionados às neurociências, ao cérebro e como ele aprende.

  4. NEURÓBICA: conjunto de práticas baseadas em exercícios mentais e motores, cujo intuito é “exercitar neurônios” para aprimorar o cérebro e torná-lo mais eficiente e saudável. Exemplo: se o costume é escovar os dentes com a mão direita, experimente fazê-lo com a mão esquerda.

  5. NEUROBIOLOGIA: o estudo das células do sistema nervoso e a organização delas em circuitos funcionais que processam informações e mediam o comportamento. Disciplina da biologia que estuda o sistema nervoso.

  6. NEUROBIÓLOGO: pesquisador focado em estudar as células do sistema nervoso e a organização delas em circuitos funcionais que processam informações e mediam o comportamento. Profissional da neurobiologia.

  7. NEUROCIÊNCIA: estudo do sistema nervoso (encéfalo, medula espinhal e nervos), suas funcionalidades e possíveis alterações ao longo da vida. Subdivide-se em diversos campos, como a neurofisiologia e a neuroanatomia.

  8. NEUROCIENTISTA: profissional focado em compreender o sistema nervoso, em especial o cérebro, e as funções mentais do ponto de vista orgânico. Também investiga laboratorialmente distúrbios neurológicos, psiquiátricos, neurodesenvolvimentais e comportamentais. Em linhas gerais, investiga cientificamente diferentes aspectos do sistema nervoso.

  9. NEUROCIRURGIA: uma especialidade médica cirúrgica que atua no diagnóstico, tratamento e reabilitação de doenças neurológicas por meio da atuação do neurocirurgião. A neurocirurgia pode ser o caminho para tratar pessoas vítimas, por exemplo, de traumatismos cranianos, tumores encefálicos e medulares, aneurismas cerebrais, malformações e distúrbios da coluna e do crânio.

  10. NEUROCISTICERCOSE: quando ocorre o acometimento do sistema nervoso central a partir de uma cisticercose (infecção causada pela ingestão de carne suína contaminada por cisticerco).

  11. NEURODESENVOLVIMENTO: formação do sistema nervoso, desde o período gestacional. Desenvolvimento do cérebro e das vias neurológicas que influenciam o funcionamento do cérebro e seu desempenho, como a capacidade de leitura, memória e habilidades sociais.

  12. NEUROECONOMIA: Um campo de pesquisa que envolve economia, neurociência e psicologia, com o objetivo de identificar como fazemos escolhas. A ideia é observar a atividade neural pra perceber como nossa mente toma decisões econômicas.

  13. NEUROEDUCAÇÃO: campo de estudo que utiliza as descobertas mais recentes da neurociência, psicologia e ciência cognitiva para instruir a educação e estratégias de ensino.

  14. NEUROEIXO: parte central do sistema nervoso, mais conhecida como sistema nervoso central. Compreende o encéfalo e a medula espinhal.

  15. NEUROENDÓCRINO: termo geralmente usado para se referir a fenômenos hormonais relacionados à questões neurológicas, como por exemplo os atrasos no crescimento.

  16. NEUROEPITÉLIO: camadas de células especializadas na recepção de estímulos sensoriais e que também participam do revestimento. Estão, por exemplo, nos ouvidos internos e papilas gustativas.

  17. NEUROFEEDBACK: também denominada de neuromodulação autorregulatória, neuroterapia, neurobiofeedback ou EEG biofeedback, é uma técnica minimamente invasiva e indolor que utiliza métodos diversos, como a eletroencefalografia (EEG), exibidos em tempo real, a fim de monitorar a atividade cerebral. Defende que o próprio paciente pode treinar a mente para funcionar de forma mais equilibrada, a partir do momento em que a análise das atividades do cérebro, por meio de exames, permite identificar padrões de ondas cerebrais ligados a sintomas, como dificuldade de concentração.

  18. NEUROFIBROMATOSE: conjunto de doenças genéticas que acometem a pele e o sistema nervoso. Também conhecida como doença de von Recklinghausen. Um dos sinais mais típicos consiste no aparecimento de nódulos e tumorações na pele, de tamanho variável.

  19. NEUROFISIOLOGIA: é o ramo da fisiologia que estuda como o sistema nervoso funciona. Pertence à neurociência. Dentre outras coisas, estuda os neurônios e seus comportamentos do ponto de vista eletroquímico.

  20. NEUROGÊNESE: processo de formação de novos neurônios no cérebro que, segundo descobertas científicas, acontece não só durante a gestação, mas também na fase adulta.

  21. NEURÓGLIA: também conhecida como células da glia, gliócitos, nevróglia ou simplesmente glia, é constituída por células não neuronais mas que também formam o tecido nervoso. Algumas de suas funções é isolar os neurônios uns dos outros, protegê-los e sustentá-los, evitando interferências na condução dos impulsos nervosos.

  22. NEUROHIPÓFISE: parte mais posterior da hipófise caracterizada por sua origem neural. Não produz hormônios, apenas armazena e os libera na corrente sanguínea após serem sintetizados no hipotálamo. São eles: a ocitocina e o hormônio antidiurético (ADH).

  23. NEUROINTENSIVISMO: subespecialidade médica que envolve conhecimentos avançados e integrados de terapia intensiva, neurologia e neurocirurgia. O neurointensivista lança mão de cuidados intensivos neurológicos, e monitorização contínua, para tratar disfunções graves do sistema nervoso em um ambiente apropriado, como é o caso da UTI. Exemplos de doenças que requerem esse tipo de cuidado são aquelas que cursam com edema e hipóxia cerebrais significativos.

  24. NEUROLÉPTICO: droga utilizada no tratamento de transtornos psicóticos, como a esquizofrenia. O principal efeito dos neurolépticos alia sedação e/ou alteração da psicomotricidade.

  25. NEUROLOGIA: é o ramo da ciência que estuda o sistema nervoso e suas afecções. A Neurologia também pode ser entendida como uma especialidade da medicina que lida com as doenças estruturais do sistema nervoso central (composto pelo encéfalo e pela medula espinhal) e do sistema nervoso periférico (composto pelos nervos e músculos), bem como de seus envoltórios (as meninges). Foca no diagnóstico e tratamento dessas doenças.

  26. NEUROLOGISTA: médico especializado no tratamento de doenças, distúrbios e lesões do sistema nervoso (encéfalo e medula espinhal).

  27. NEUROMA: uma tumoração ou espessamento de um nervo. Tipo de tumor neural que, na maioria dos casos, é benigno.

  28. NEUROMARKETING: um campo de estudo recente do marketing, caracterizado pela incorporação de conceitos da neurociência. Utiliza mecanismos de medição da atividade cerebral, como exames de imagem, para entender como é construído o interesse dos consumidores, bem como suas predileções e respostas a produtos, embalagens e publicidades, por exemplo.

  29. NEUROMETRIA: metodologia para realizar análise funcional e treinamento do sistema nervoso autonômico e cognição. O objetivo é melhorar a saúde física e mental, além de desenvolver a alta performance.

  30. NEUROMODULADOR: substância química liberada por neurônios no sistema nervoso periférico ou central, capaz de prolongar ou reduzir o efeito de um neurotransmissor. Diz-se do objeto ou estrutura capaz de modular a função do sistema nervoso.

  31. NEURÔNIO: Também denominado de célula nervosa, o neurônio é a unidade funcional característica do sistema nervoso (encéfalo, medula espinhal e nervos). É graças à interação entre os neurônios que sentimos e percebemos o que acontece dentro e fora de nós; também através deles enviamos comandos para os músculos, agimos, pensamos, memorizamos e aprendemos.

  32. NEUROPALEONTOLOGIA: junção de neuro (que remete ao sistema nervoso) com paleontologia (estudos sobre animais e plantas fossilizados). É a ciência que estuda a evolução do cérebro e sistema nervoso a partir da análise de fósseis.

  33. NEUROPATIA: doença neural, patologia do sistema nervoso.

  34. NEUROPATIA PERIFÉRICA: doença do sistema nervoso periférico. Acomete os nervos, afetando os órgãos efetores a eles interligados, como músculos e receptores periférico. Pode provocar, dentre outras coisas, perda da sensibilidade e atrofia muscular.

  35. NEUROPEDIATRIA: especialidade da medicina que estuda, diagnostica e trata distúrbios do sistemas nervosos central e periférico das crianças. O especialista na área, o neuropediatra, atua em patologias como epilepsia infantil e transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), por exemplo.

  36. NEUROPEPTÍDEO: pequena substância proteica produzida e liberada pelos neurônios. Classe mais diversificada de moléculas de sinalização no cérebro, envolvidas em várias funções neurofisiológicas, inclusive no processo de neurotransmissão.

  37. NEUROPERSUASÃO: modalidade de técnica de persuasão que atua nas zonas neurais de uma pessoa. Técnica de convencimento que envolve o conhecimento de neurociência.

  38. NEUROPLASTICIDADE: propriedade do sistema nervoso de se modificar estrutural e funcionalmente, ao longo da vida do ser humano, em resposta às influências externas a ele. Processo fortemente relacionado com a aprendizagem.

  39. NEUROPRAXIA: também conhecida como neurapraxia, é uma das formas mais brandas de lesão do nervo, de acordo com a classificação de Seddon. Costuma se apresentar como uma paralisia temporária.

  40. NEUROPSICOFARMACOLOGIA: ciência que examina os efeitos de drogas no cérebro e na mente de uma pessoa, capazes de alterar seu comportamento. Para isso, alia neurociência com psicofarmacologia.

  41. NEUROPSICOLOGIA: subespecialidade da psicologia e da neurologia que busca compreender a relação entre os aspectos orgânicos do cérebro, o funcionamento da mente e o comportamento, especialmente o aspecto cognitivo do ser humano.

  42. NEUROPSICÓLOGO: Psicólogo especializado em compreender como estruturas e sistemas cerebrais estão relacionados ao comportamento e ao pensamento.

  43. NEUROPSICOPEDAGOGIA: ciência transdisciplinar que aposta na aplicação de conhecimentos das neurociências, em especial da neuropsicologia, à educação. Estuda mais enfaticamente a relação entre o funcionamento do sistema nervoso e a aprendizagem humana.

  44. NEUROPSIQUIATRA: médico especializado em compreender a relação entre distúrbios neurológicos e transtornos mentais. Trata pacientes que apresentam problemas psiquiátricos aliados a distúrbios do sistema nervoso.

  45. NEUROPSIQUIATRIA: subespecialidade da medicina que foca na relação entre distúrbios neurológicos e transtornos mentais. Especialistas na área tratam pacientes que apresentam tanto problemas psiquiátricos, quanto distúrbios orgânicos do sistema nervoso (lesão ou doença).

  46. NEUROQUÍMICA: estudo das identidades, estruturas e funções de compostos (neuroquímicos) que são gerados e modulam o sistema nervoso. Exemplos de compostos neuroquímicos: ocitocina e dopamina.

  47. NEURORECEPTOR: ponto de ligação dos neurotransmissores e encontrado na membrana plasmática dos neurônios.

  48. NEUROSE: do ponto de vista da psicologia, é uma perturbação funcional em órgãos intactos, considerada de origem nervosa. Em outras palavras, um conjunto de problemas de origem psíquica que conservam a referência à realidade, ligam-se a situações circunscritas e geram perturbações sensoriais, motoras, emocionais e/ou vegetativas.

  49. NEUROSSÍFILIS: infecção grave que afeta o cérebro e pode acometer a medula espinhal. Desenvolve-se em pessoas portadores de sífilis que passam anos sem tratar o problema, desde a infecção inicial. Uma complicação grave da sífilis que se dá quando o Treponema pallidum invade o sistema nervoso.

  50. NEUROTÍPICO: denominação utilizada para se referir ao indivíduo que aparentemente não é acometido por nenhuma psicopatologia, transtorno ou deficiência intelectual. Além da psicologia e psiquiatria, o termo pode ser estendido à neurologia, fazendo referência às pessoa sem doenças neurológicas aparentes.

  51. NEUROTMESE: lesão axonal, ou seja, da fibra nervosa, no sistema nervoso periférico, caracterizada por ruptura parcial ou total. A recuperação é imprevisível mesmo após cirurgia.

  52. NEURÓTOMO: [1] Bisturi especial utilizado na dissecção de um nervo. [2] Parte do sistema nervoso embrionário que corresponde a um metâmero.

  53. NEUROTÓXICO: substância química capaz de lesar o sistema nervoso e prejudicar seu funcionamento normal.

  54. NEUROTRANSMISSOR: Molécula produzida por células do sistema nervoso para transmitir mensagens entre os neurônios ou dos neurônios para órgãos efetores como músculos e glândulas. Saiba mais sobre o assunto clicando aqui.

  55. NEUROVASCULAR: aquilo que se relaciona ou envolve o sistema nervoso e os vasos sanguíneos a ele associados.

  56. NEUROVEGETATIVO: termo que designa funções vitais básicas e sob controle do sistema nervoso. Parte do sistema nervoso relacionada ao controle da vida vegetativa: funções autonômicas como respiração, circulação do sangue e digestão.

  57. NEUROVISÃO: estudo que analisa o processamento cerebral da informação captada pelos olhos.

Esse artigo foi produzido com o auxílio e revisão de Leonardo Faria.

COMPARTILHAR
Letícia Brito
Estudante de Comunicação Social - habilitação em Jornalismo, na Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Estagiária de reportagem em TV, apresentadora de boletim de notícias e colunista do MeuCérebro.
avatar
4 Comentários
0 Respostas
0 Seguidores
 
Comentário mais popular
Comentário em alta
4 Comentários dos autores
Lucia Cunha de QueirozMacloviaLucasNubor Orlando Facure Comentários recentes dos autores
  Subscribe  
mais recente mais antigo mais votado
Notificar
Lucia Cunha de Queiroz
Lucia Cunha de Queiroz

Sou diagnosticada com distonia facial lado esquerdo. (espasmos olho e boca) trato com toxina . As vezes grande melhoras e outras vezes não. Como classificar esse trato neurológico.

Maclovia
Maclovia

Neurogeriatria

Lucas
Lucas

Neuroetica
neurodireito
neuroarte
..

Nubor Orlando Facure
Nubor Orlando Facure

Parabéns pela iniciativa
Sigiro incluir Meraneurologia
Uma visão extrafisica da neurologia a partir do corpo mental