O que determina o seu gosto musical? Por que gostamos de ouvir música?

5
13934

Sabe quando você escuta aquela sua música preferida e se sente bem? Quando se lembra de um amigo ou momento imediatamente após ouvir uma música? Sim. Ela é capaz de evocar emoções e está fortemente associada a lembranças e sentimentos.

Sabe quando você escuta aquela sua música preferida e se sente bem? Quando se lembra de um amigo ou momento imediatamente após ouvir uma? O que será que determina o seu gosto musical? Por que gostamos de ouvir música?

gosto musical

Sim. Ela é capaz de evocar emoções e está fortemente associada a lembranças e sentimentos. Entretanto, a emoção vivenciada não está no significado do que está sendo exposto na música, pois se o fosse não choraríamos ao ouvir um hit estrangeiro do qual não conseguimos compreender uma única palavra. A emoção está mais no valor que atribuímos à melodia e as lembranças que associamos a ela.

Por que gostamos de ouvir música?

Ouvir música boa faz com que o cérebro libere dopamina, uma substância que proporciona sensação de bem-estar, prazer e motivação, pois atua no centro de recompensa do cérebro. Essa substância também é liberada durante o sexo, o uso de drogas e após ingerir comidas deliciosas. Ou seja, a sensação boa ao ouvir música tem influência biológica e pode provocar uma onda intensa de excitação emocional que inclui alterações na frequência cardíaca, pulso, frequência respiratória dentre outras.

O que determina nosso gosto musical?

Neurocientistas monitoraram a atividade cerebral de um grupo de pessoas ao ouvirem diferentes estilos musicais. A partir disso, observou-se que a música atua em diferentes centros do cérebro simultaneamente. Entretanto, cada estilo musical estabelece seu próprio padrão de atuação. A pesquisadora Salimpoor afirmou: o que determina nossas preferências musicais é a maneira como os neurônios conectam-se entre si e essa conexão é determinada pela sensibilidade neuronal que desenvolvemos durante a nossa vida.

Em outras palavras: se crescemos ouvindo determinados tipos de músicas, nossos neurônios criam conexões específicas que são reativadas sempre que ouvimos músicas parecidas. Isso faz com que nossa memória resgate todas as lembranças associadas e nos dê aquela sensação de bem estar. É por isso que grandes músicos costumam ter um variado gosto musical, pois ao longo de suas vidas foram expostos repetidamente a diferentes padrões musicais.

Mas o que acontece no nosso cérebro quando nós gostamos de algo que nunca ouvimos antes?

Ao analisar a atividade cerebral de pessoas enquanto ouviam determinada música pela primeira vez, a dopamina foi igualmente lançada no cérebro. Isso acontece porque o cérebro busca padrões reconhecíveis que estejam armazenados na memória e faz previsões de qual direção a música está tomando. Dessa forma, quando ouvimos uma música diferente daquelas que estamos condicionados não respondemos com familiaridade a ela e acabamos não gostando. É por isso que canções pop são mais populares, pois suas estruturas melódicas e ritmos são razoavelmente previsíveis e mais facilmente agradáveis à maioria das pessoas.

Música como terapia

A utilização da música como terapia é um método antigo, sendo utilizada inicialmente no âmbito psicossocial, como ferramenta para facilitar a construção do vínculo social e a expressão de emoções e afetos. Essas propriedades da música são de grande importância, entretanto busca-se, atualmente, a utilização da musicoterapia como estímulo neurológico para o tratamento de determinadas doenças específicas, através de sua capacidade de modificar a percepção sensorial, motora e cognitiva. O objetivo é reabilitar o cérebro.

Quando a musicoterapia é utilizada?

As principais abordagens da musicoterapia referem-se a déficits auditivos, aos usuários de implantes cocleares, as pessoas que sofreram lesão cerebral, autismo, paralisia cerebral, lesão medular, esclerose múltipla, Parkinson, distúrbios psiquiátricos e outras enfermidades que comprometem as funções executivas (pensamento, linguagem, raciocínio, compreensão, cognição, atenção e controle motor).

Como a musicoterapia atua no cérebro?

[column]gostar de ouvir música[/column][column]

Diversas pesquisas estão sendo utilizadas a fim de compreender como a música pode produzir benefícios. Sobretudo com o auxílio de exames funcionais de última geração descobriu-se que a música age no cérebro e tem ampla influência sobre a neuroplasticidade. Evidenciou-se ainda que a música não age em áreas exclusivas do cérebro, mas sim em diversas regiões responsáveis pelas funções executivas. Assim, ela ativa padrões complexos por todo o cérebro e estimula múltiplas funções, provoca transformações na atividade neural, desenvolvendo-a, reativando-a e tornando-a mais eficiente.[/column]

Referências: FrontiersScientific AmericanThe DANA Foundation

Imagens: Imagem 1, Imagem 2

COMPARTILHAR
LISAM-UFU
A Liga Acadêmica de Saúde Mental da Universidade Federal de Uberlândia (LISAM-UFU) é dedicada a estudar os diversos transtornos e diferentes assuntos da área da Saúde Mental (tão importante e influente na saúde humana) e trazer ao público eventos e atividades que permitam maior conhecimento sobre esse tema.
avatar
5 Comentários
0 Respostas
0 Seguidores
 
Comentário mais popular
Comentário em alta
3 Comentários dos autores
SILVANO LUIZOsvaldo Tarelho JuniorÁlvaroLuaneBárbara Comentários recentes dos autores
  Subscribe  
mais recente mais antigo mais votado
Notificar
SILVANO LUIZ
SILVANO LUIZ

Cada gosto de música tem haver muito com sua personalidade. A música diz quem você é..
Parabéns, excelente matéria.

Osvaldo Tarelho Junior
Osvaldo Tarelho Junior

Música é terapia pois é sinestésica: a partir da audição, ativa todos os sentidos.

Álvaro
Álvaro

Matéria utilíssima, gostei muito.

Luane
Luane

Adorei a matéria!! ;)

Bárbara
Bárbara

Super a matéria!