Perda de memória. Ou a chamada amnésia. Um tema presente tanto em nossas vidas cotidianas quanto na ficção, já é conhecido da grande maioria das pessoas por aparecer em filmes, séries, livros e outras formas de entretenimento. A grande maioria das pessoas já assistiu ao filme “Como se fosse a primeira vez” (50 first dates, em inglês) em que a personagem principal, Lucy Whitmore (Drew Barrymore) não consegue formar memórias de longo prazo desde o dia que sofreu um acidente automobilístico, esquecendo, ao dormir, tudo o que viveu ao longo de cada dia desde então.

E, apesar de parecer ficção, isso não acontece só na telona. A amnésia anterógrada (impossibilidade de formar novas memórias de longo prazo, apesar de as demais estarem preservadas) ocorre em muitos contextos diferentes. Isso inclui lesões cerebrais por traumas, a demência, a epilepsia mal controlada, dentre muitos outros exemplos. Uma população especialmente afetada são os veteranos de guerra: é comum lesões cerebrais e perda de memória naqueles atingidos por explosões, mesmo que não haja dano corporal significativo.

Mas, o que dá para fazer? Não tem como reverter uma lesão dessas… ou tem? Essa é a novidade que a ciência moderna acaba de nos trazer!

perda-de-memoria

Assim como acontece com a protagonista do filme “Como se fosse a primeira vez”, a incapacidade de formar novas memórias pode surgir por acidentes ou diversas outras causas.

Como se formam as memórias?

A formação de memórias é algo muito complexo, na verdade. Até hoje o assunto não é muito bem compreendido. Sabe-se que, anatomicamente, o processo ocorre em uma área cerebral chamada hipocampo, uma área “antiga” no sentido de estar presente nos cérebros de nossos antepassados há muito tempo. É uma região composta por 3 camadas de neurônios que recebem informações de várias regiões do próprio cérebro por intermédio do giro denteado, presente logo ao lado. O hipocampo em si ainda é subdividido em 4 regiões, denominadas de CA1 a CA4.

Corte coronal (“de cima para baixo, olhando-se de frente”) do hipocampo, demonstrando as regiões CA1 e CA3, alémd de parte do ventrículo lateral. Na figura de baixo, os neurônios da região CA3 encontram-se lesionados (nesse caso, pela administração experimental de cainato). DG: Giro denteado.

O processo de formação da memória é relativamente simples: o hipocampo recebe as inúmeras informações sobre o meio externo e nossos pensamentos, sentimentos, etc e, conforme essas informações vão sendo necessárias e acessadas novamente ao longo do dia, elas se consolidam na forma de novas sinapses entre neurônios recém-formados, gerando a memória de longo prazo.

Ilustração da posição anatômica do hipocampo, na parte mais profunda do lobo temporal.

O que os estudos mostraram foi que, durante esse processo, um intenso trânsito de estímulos ocorria da área CA3 (que recebe as informações do giro denteado) para a área CA1, e foi isso que permitiu imaginar uma possível cura para a perda das memórias de longo prazo.

A tecnologia anti-amnésia

A tecnologia destinada a tratar esse tipo de amnésia foi desenvolvida com fundos do programa Brain Research through Advancing Innovative Neurotechnologies (BRAIN), aprovado pelo governo dos EUA em 2013, com o objetivo de estimular a pesquisas sobre o funcionamento cerebral, suas doenças e tratamentos. Com esses fundos, a US Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA), agência norte-americana associada ao exército do país, investiu em 2 equipes.

Uma delas ficou responsável por estudar como ocorre a formação de memórias. Essa equipe estudou pacientes com epilepsia grave, já encaminhados ao hospital para o posicionamento de eletrodos (que seriam usados para identificar a origem das crises epilépticas). Eles aproveitaram esses eletrodos para estudar a eletrofisiologia do hipocampo, enquanto realizavam atividades de memorização com os pacientes e tentavam formar algoritmos para prever seus desempenhos.

A segunda equipe ficou responsável por tentar desenvolver pequenos aparelhos que conseguissem identificar padrões de atividade cerebral e responder a eles com estímulos em tempo real.

Resultado: a produção de um aparelho implantável que imitaria os estímulos originados da área CA3 do hipocampo e os aplicaria diretamente sobre a área CA1, corrigindo, assim, o “vão” deixado nas pessoas que sofrem de amnésia anterógrada.

Esse tipo de estimulação, em macacos, resultou em melhoras na capacidade de formação de memórias. A próxima parte do projeto é testar a tecnologia em humanos. Na verdade, ele já foi testado em uma mulher com epilepsia, que estava no grupo estudado pela primeira equipe. Mas os pesquisadores dizem que ainda é cedo para saber se isso funcionou ou não e que o objetivo, agora, é expandir a população para incluir vítimas de traumas.

O que esperar?

Com certeza, essa é uma tecnologia que, uma vez disponível ao uso, pode melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas. Imagine-se incapaz de formar novas memórias. Você pode achar que isso não faria muita diferença, afinal, você não perceberia isso acontecendo. Mas, ao mesmo tempo, a cada dia você se depararia com uma realidade “cada vez mais distante daquela de ontem”, sem saber “como as coisas mudaram tão rapidamente”, e aí começaria toda a confusão e sofrimento resultantes dessa condição.

Contudo, a própria equipe afirma: devemos esperar bons resultados, mas não devemos esperar um milagre. Pode ser que o aparelho não funcione em todo mundo. Se uma pessoa tiver lesão na área CA1, por exemplo, ao invés de CA3, todo o funcionamento do aparelho já se tornaria inútil. Algumas outras partes da pesquisa também observaram que, se os estímulos sobre essas regiões forem descarregados sobre um cérebro com memória preservada, a capacidade de formá-la se tornaria comprometida e, assim, seria necessário cuidado e mais critério na hora de prescrever um desses. Sem contar, claro, o risco inerente ao processo de se implantar um aparelho, ainda mais no delicado e complexo campo da neurocirurgia.

De qualquer forma, a pesquisa traz esperança, para os pacientes e suas pessoas de convívio mais próximo, de que possam ter uma melhor qualidade de vida. Lucy Whitmore provavelmente ficaria muito feliz.


Fontes: Nature News & Reference (1), Nature News & Reference (2), Clinical Neuroanatomy

Imagens: Imagem 1, Imagem 2, Imagem 3

Sobre o Mentor

Carlos Henrique

Médico com formação em Clínica Médica, Escritor, Coordenador de conteúdo do site Meu Cérebro, entusiasta de uma visão holística da saúde, especialmente do cérebro humano

Artigos do Mentor