Polissonografia: o exame capaz de diagnosticar distúrbios do sono

0
299

Quando o médico desconfia de algum distúrbio do sono na consulta, poderá solicitar um exame chamado polissonografia. Como não faz parte do check-up habitual, muita gente não está familiarizado com ele. Como é realizado? Quais doenças detecta? Há riscos para a saúde? Quem deve fazer? Quais as contraindicações para sua realização?

A seguir, alguns esclarecimentos sobre a polissonografia.

Para que serve a polissonografia?

A polissonografia é um exame relativamente simples indicado por médicos generalistas, neurologistas ou especialistas em medicina do sono. Serve para avaliar de forma não invasiva a atividade elétrica cerebral, a atividade muscular, como movimentos dos olhos e pernas, e também a respiração, enquanto o paciente dorme.

Outros parâmetros também são avaliados, como frequência cardíaca e taxa de oxigênio na corrente sanguínea. Em linhas gerais, o objetivo é monitorar o comportamento do organismo durante as fases do sono, diagnosticar eventuais doenças do sono e acompanhar os pacientes que estão em tratamento para essas condições.

Polissonografia e as fases do sono
A polissonografia possibilita acompanhar o comportamento da pessoa durante as fases do sono, REM e não REM (Rapid Eye Movement).

Em resumo, quem é candidato para realizar o exame? Qualquer pessoa cuja queixa seja insônia sem causas definidas, sonolência excessiva, alteração do ritmo do sono, comportamentos anormais ao dormir ou distúrbios respiratórios sono-dependentes.

Como é feito o exame?

A pessoa deverá se deslocar até uma clínica do sono para passar a noite. Lá, em uma sala calma e monitorada, deverá ser preparada de forma confortável, cuidando para que nada interfira no exame. Deverá levar seus objetos de uso pessoal, como roupa de dormir, chinelo, escova de dentes, e até mesmo o próprio travesseiro caso tenha dificuldades em se acostumar com objetos diferentes.

Sensores são espalhados pelo corpo e as informações coletadas são analisadas por computadores, que padronizam os dados, possibilitando que os mesmos sejam analisados por profissional experiente.

Em determinadas situações, é possível realizar a polissonografia domiciliar.

Orientações e contraindicações

A polissonografia não causa dor e costuma ser bem aceita pelos pacientes. Quem vai realizar o exame é orientado a manter a rotina de vida normalmente. Alimentar-se bem e evitar ingerir bebidas alcoólicas se não for habitual estão entre essas orientações.

É recomendado também evitar o uso de produtos químicos nos cabelos, como gel e spray; os mesmos devem estar limpos e secos para não prejudicar a colocação dos eletrodos.

Não há contraindicações absolutas para a realização do exame.

Doenças do sono diagnosticadas pela polissonografia

Polissonografia e insônia
A insônia sem causa definida é motivo para se indicar a polissonografia.

Inúmeras são as doenças ou os distúrbios possivelmente flagrados durante a realização da polissonografia. Os principais são os distúrbios respiratórios próprios do sono como ronco e apneia obstrutiva, e as dissonias e parassonias, como insônia, sonambulismo, terror noturno, ranger dos dentes (bruxismo), epilepsias do sono, narcolepsia, síndrome das pernas inquietas, dentre outros.

É muito importante diagnosticar o distúrbio e tratá-lo adequadamente. Infelizmente, o número de indivíduos que não conseguem dormir bem tem aumentado. Isso é um problema para o cérebro que precisa de um determinado número de horas de sono para se recuperar bem de um dia de atividades.

A dica é realizar o exame de polissonografia conforme a orientação do seu médico e retornar sempre para prosseguir com a investigação e tratamento.

Ficou interessado em saber mais sobre a importância do sono de qualidade para o cérebro? Clique aqui.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here